¨
Sobre o Rosies

O que é o projeto?

O projeto é criado por mulheres com o objetivo de democratizar e informar sobre o que é o feminismo como teoria de Relações Internacionais, como essa teoria se aplica aos acontecimentos nos continentes e seus países. O projeto também visa debater sobre a luta em prol do empoderamento das mulheres ao redor do mundo, assim como trazer a memória de mulheres que fizeram e/ou fazem a diferença na história.

Rosies também tem a finalidade de empoderar mulheres informando-as sobre as histórias de suas lutas ao redor do mundo no passado e no presente, demonstrando a importância das mulheres na construção da trajetória do planeta.

Nós somos internacionalistas escrevendo sobre histórias de luta, superações e conquistas femininas pelo mundo, tendo como base a teoria feminista como teoria de Relações Internacionais. A intenção do projeto é informar para o maior número de pessoas sobre a importância das mulheres nos diversos continentes, assim como analisar e mostrar que essa luta não é igual entre os continentes e países.

Nós temos a intenção de contribuir para a área de estudos da teoria feminista como teoria de Relações Interncionais, sendo que este é um campo ainda insipiente no Brasil, com poucos trabalhos desenvolvidos e pouco reconhecimento.

Nós queremos contribuir para o debate sobre o feminismo e contar histórias e experiências de mulheres ao redor do mundo, levar conhecimento e aprendermos mais sobre o assunto e também contribuir para acabarmos com a desigualdade de gênero no planeta. Contamos com você e estaremos sempre abertas.

Por que Rosies?

O cartaz “We Can Do It!” (Nós podemos fazer isso!), com a personagem conhecida como Rosie the Riveter (Rosie a Rebitadora), é uma obra do artista J. Howard Miller. Ele foi criado com a finalidade de estimular as mulheres americanas a trabalharem substituindo os homens nas fábricas durante a Segunda Guerra Mundial. Porém, o cartaz não obteve repercussão e somente nos 1980 surgiu como um símbolo do movimento feminista. Ele foi inspirado na foto de Naomi Parker, a qual estava com um lenço branco e vermelho em uma fábrica.

Como a personagem Rosie e a frase de seu cartaz se tornou um ícone do movimento feminista, nós resolvemos dar o nome do projeto de “Rosies”, simbolizando que todas nós somos uma Rosie, ou seja, todas nós temos capacidade de fazer o que quisermos como ilustrado pela frase: We Can Do It!. O nome do projeto está associado, única e exclusivamente, a personagem do cartaz como símbolo de que nós mulheres somos fortes e podemos conquistar o espaço que quisermos no mundo.

Fonte sobre a história do cartaz: We Can Do It!: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/01/23/internacional/1516662685_725483.html

Fleurs du Mal

Nosso nome também é uma referência às mulheres que florescem mesmo em situações tão precárias da sociedade.

O romance histórico de Kate Quinn – A Rede de Alice – narra a história de duas mulheres em meio as duas Guerras Mundiais. O livro traz personagens e eventos reais e foi por meio dele que conhecemos a personagem histórica pouco conhecida – Louise de Bettignies. 

Louise – codinome Alice Dubois, dentre outros – com sua facilidade com línguas e sua habilidade organizacional para o negócio de inteligência foi recrutada durante a Primeira Guerra Mundial.  A Rede de Alice foi mantida pelas várias fontes de Louise baseadas na área de Lille, na França, que transmitiam informações sobre a parte local do front alemão com uma velocidade e precisão que impressionava os militares e homens da inteligência britânica. 

“A Rede de Alice” mostra mulheres que foram fundamentais para o período de guerras e a força que elas possuíam. Elas floresciam em meio ao mal e inspiravam outras mulheres a também serem fortes e perseverantes.

Existe um livro das memórias dos tempos de guerra de Louise de Bettignies narradas ao escritor pela sua esposa e parceira de Louise na época da Rede de Alice – é o La guerre des femmes.

Missão Democratizar o debate sobre o feminismo como teoria de Relações Internacionais empoderando mulheres através da informação sobre suas lutas e conquistas ao redor do mundo.

Visão Ser a maior fonte de informações sobre a atuação de mulheres no mundo.

Valores Informação; Autenticidade; Diversidade; Resiliência; Empoderamento; Cosmopolitismo.