Como surgiu a Teoria Feminista na disciplina de Relações Internacionais?
Publicado em 08/03/2021 às 15:46 por Thaynara dos Santos Barbosa

O mundo está cada vez mais globalizado, os acontecimentos políticos, econômicos e sociais que acontecem em determinado país se refletem no resto do planeta. Um exemplo é a pandemia da Covid-19, que se iniciou na China e em menos de um ano já estava em todo o mundo. Por isso, os estudos das relações internacionais e do funcionamento do sistema internacional são de suma importância.

Para entender o funcionamento do sistema internacional é necessário um corpo de teorias, que agirão para compreender as atividades humanas que vão além das fronteiras nacionais. Dessa forma, surgiram as teorias das Relações Internacionais, as quais:

têm a finalidade de formular métodos e conceitos que permitam compreender a natureza e o funcionamento do sistema internacional, bem como explicar os fenômenos mais importantes que moldam a política mundial (NOGUEIRA; MESSARI, 2005, p. 2).

O primeiro departamento de Relações Internacionais surgiu após a Primeira Guerra Mundial, em 1917, na Universidade de Aberystwyth. A finalidade dos acadêmicos era estruturar uma disciplina com o objetivo de isentar a humanidade dos efeitos negativos da guerra. A partir desse acontecimento, apareceram as primeiras teorias no campo de Relações Internacionais (NOGUEIRA; MESSARI, 2005).

O primeiro debate das teorias de RI irrompeu após o diplomata britânico, Edward Hallet Carr, escrever o livro “Vinte anos de crise”, em 1939. No livro, Carr afirmou que a preocupação normativa dos acadêmicos em estudar o dever ser do mundo os impossibilitou de perceber a imediação da Segunda Guerra Mundial. Carr chamou esses teóricos de utópicos ou idealistas. A partir disso, Carr determinou um grupo chamado de realistas, que tinham o intuito de estudar o mundo como ele realmente é (NOGUEIRA; MESSARI, 2005). Ambas as teorias, Realista e Idealista, foram colocadas mais tarde como teorias mainstream do campo de Relações Internacionais.

O segundo debate entre as teorias de Relações Internacionais surgiu quando realistas científicos criticaram o realismo clássico pela falta de diálogo com outros campos de pensamento científico. Desse modo, os realistas científicos destacavam a importância da utilização na disciplina de conceitos e metodologias das ciências exatas e, também de métodos quantitativos (NOGUEIRA; MESSARI, 2005).

Nas décadas de 1960 e 1970, a evolução da política internacional e da disciplina de Relações Internacionais fez com que outros desafios surgissem para as teorias de mainstream. Por conseguinte, segundo Nogueira e Messari (2005, p. 5):

o surgimento de novos atores não-estatais na política internacional, como empresas multinacionais e organizações governamentais e não-governamentais, levou ao questionamento de premissas básicas do realismo.

Em consequência disso, ocorreu o terceiro debate na disciplina de RI, e Nogueira e Messari diz que esse “seria um debate entre o realismo, o liberalismo e o construtivismo e suas respectivas variantes” (2005, p. 8) A teoria do feminismo surgiu nesse terceiro debate, mas muitos autores, por não reconhecerem sua relevância, nem a citam. Os autores mencionados chamam as teorias que surgiram junto com o construtivismo de “variantes dessa teoria”.

Desse modo, os Estudos de Gênero e as Relações Internacionais se aproximaram durante o terceiro debate em RI (MONTE, 2013). A teoria feminista, no entanto, não é colocada como uma variante do construtivismo e sim uma teoria com viés e metodologia própria. E, para entender como surgiu o feminismo em si, é preciso entender que o movimento passou por etapas, conhecidas hoje como ondas.

A primeira onda ocorreu nos séculos XIX e XX, concentrou-se no sufrágio feminino. Os direitos legais conquistados pelas sufragistas serviram de base para as outras ondas feministas. Entretanto, esse movimento foi, principalmente, feito por e para mulheres brancas, não sendo um movimento diverso (OXFORD WOMEN INTERNATIONAL, 2017).

A segunda onda aconteceu dos anos 1960 aos 1980. Abrangeu questões sobre sexo, sexualidade, igualdade de remuneração, a criminalização do estupro conjugal e a legislação de abuso doméstico. Essa onda possui influência até hoje, pois a imagem de ‘feminista’ costuma ser associada às mulheres dessa época através de seus movimentos, como a queima de sutiãs. E, foi a partir dessa onda que surgiu a ideia de um ‘feminismo radical’ (OXFORD WOMEN INTERNATIONAL, 2017).

A terceira onda teve início na década de 1990 e é considerada por muitos como o estado atual do movimento feminista. Esse movimento procurou expandir e diversificar o feminismo, englobando identidades que não foram valorizadas pelas ondas anteriores, abraçando a interseccionalidade (OXFORD WOMEN INTERNATIONAL, 2017).

A quarta onda, de acordo com a escritora e ativista Jennifer Baumgardner, iniciou em 2008 e é considerada por muitas pessoas como o feminismo de hoje. Essa onda abrange temáticas como a inserção da população LGBTQI+ no movimento, a necessidade de dar voz às mulheres marginalizadas, o apoio às mulheres trans e os direitos de reprodução e aborto (OXFORD WOMEN INTERNATIONAL, 2017).

Em vista disso, conforme Peterson (2004 apud SARFATI, 2005, p. 294) “o termo feminismo denomina os estudos e as teorias que são críticas ao masculinismo e à hierarquia do gênero”. Ou seja, o gênero masculino domina o feminino de forma institucionalizada nas relações religiosas, econômicas, militares e políticas. Isso ocorre devido a legitimação que o pensamento e a prática masculina recebem (SARFATI, 2005).

Ademais, com o fim da Guerra Fria, diz-se que o sistema internacional se distanciou das preocupações tradicionais de segurança e alta política, fazendo com que assuntos da agenda soft ganhassem importância no campo das relações internacionais (MONTE, 2013). Porém, para Tickner (2001) não ocorreu um movimento pela inclusão das mulheres na disciplina de Relações Internacionais depois desses eventos. Na verdade, para a autora, as mulheres estiveram, a todo momento, inseridas no campo, entretanto, estavam ocultas pelas lentes utilizadas para estudá-lo.

Os trabalhos de caráter feminista, através da introdução de “gênero como categoria empírica relevante e ferramenta analítica para compreender as relações de poder globais” (PAIVA, 2014, p. 9), têm crescido nas Relações Internacionais desde o final da década de 1980. A ascensão do pensamento feminista fez parte do movimento dos pós-positivistas, através da crítica as teorias de mainstream (REUS-SMIT, 2005) – conhecido como o Terceiro Debate a partir dos anos 1980 (LAPID, 1986).

Apesar disso, a escola feminista de Relações Internacionais considera a disciplina androcêntrica. Essa afirmação se deu em comparação a outras ciências sociais, pois as primeiras análises feministas surgiram nas RI cerca de duas décadas após o feminismo ter adentrado o campo acadêmico (HALLIDAY, 1999). Enquanto outras ciências sociais – destaca-se a sociologia, antropologia e história – foram pioneiras em termos de estudos feministas (ibid.) A demora para a questão de gênero ser incorporada as Relações Internacionais não quer dizer que ela seja irrelevante para a disciplina; visto que outras ciências sociais abordaram questões de efeitos internacionais englobando debates sobre a violência sexual na guerra (MACKINNON, 1994).

Isto posto, a disciplina de Relações Internacionais mostra-se conservadora em comparação a outras ciências sociais, o que denota que a inclusão de perspectivas que são críticas ao mainstream demoram anos para acontecer. (BEIER, 2005)

Consequentemente, a agenda de pesquisa com o ponto de vista feminino não precisa ser incluída nos discursos teóricos que já existem, porque eles já são conduzidos por um olhar masculino. Na verdade, o campo de RI necessita de uma reconstrução teórica. Na qual a teoria tenha autonomia para expor suas ideias em relação a construção social de gênero e a todas as questões problemáticas que derivam dessa dicotomia homem-mulher, em que a visão masculina ganha privilégio e a feminina desvalorização (PETERSON, 2004).

Desse modo, as perspectivas feministas utilizadas no estudo das relações internacionais usam o gênero como classe de estudo, buscando esclarecimentos, nas normas e instituições do sistema internacional, para a desigualdade nas relações entre os gêneros. Assim como, também pretendem construir uma ordem internacional justa, em que hierarquias de gênero, raça ou classe não existam (MONTE, 2013).

De acordo com a Janety Chafetz (1988 apud PAIVA, 2014, p. 15) uma teoria feminista possui três elementos: “(i) gênero é o foco da teoria; (ii) relações de gênero são vistas como problemáticas; (iii) relações de gênero são consideradas mutáveis”.

Entretanto, Chafetz descreveu teorias que são prováveis ou não de serem feministas. À vista disso, Ann Tickner (2001) diz que “a principal preocupação da teoria feminista é explicar a subordinação das mulheres (…) e procurar meios para pôr um fim a essa subordinação” (p. 11, tradução nossa). Ou seja, além das características apontadas por Chafetz, uma teoria feminista “deve ser abertamente normativa, com um foco na subordinação feminina.” (PAIVA, 2014, p. 16).

Logo, a teoria feminista nas Relações Internacionais pode ser definida como: “uma análise cujo foco é a categoria gênero, com uma ênfase na mulher, e uma epistemologia crítica (à positivista)” (PAIVA, 2014, p. 17).

Portanto, apesar da teoria feminista ser citada em livros e ter um espaço em disciplinas na academia, ela ainda não ganhou tanta relevância. Muitos autores não dão a devida importância que essa teoria detém para os debates sobre os diversos acontecimentos no sistema internacional. Percebe-se que são necessárias análises sobre as relações internacionais sob um viés feminino, para que as questões de gênero sejam analisadas e debatidas recebendo o destaque que possuem para os eventos que ocorrem no planeta.

REFERÊNCIAS:

BEIER, M. International Relations in Uncommon Places. Nova Iorque: Palgrave Macmillan, 2005.

HALLIDAY, F. Repensando as Relações Internacionais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1999.

LAPID, Y. The Third Debate: On the Prospects of International Theory in a Post-Positivist Era. International Studies Quarterly, Londres, v. 33, p. 235-254, 1989.

MACKINNON, C. A. Rape, Genocide, and Women’s Human Rights, Harvard Women’s Law Journal, Cambridge, v. 5, p. 11-12, 1994.

MONTE, Izadora Xavier do. O debate e os debates: abordagens feministas para as relações internacionais. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 59-80, Apr.  2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104 026X2013000100004&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 08 Mar.  2021.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2013000100004.

NOGUEIRA, João Pontes; MESSARI, Nizar. Perspectivas alternativas: feminismo e pós-colonialismo. In: NOGUEIRA, João Pontes; MESSARI, Nizar. Teoria das Relações Internacionais: correntes e debates. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. p. 221-230.

OXFORD WOMEN INTERNATIONAL. A Beginner’s Guide to Feminism. 2017. Disponível em: https://oxwomin.wordpress.com/2017/11/08/a-beginners-guide-to-feminism/. Acesso em: 01 mar. 2021.

PAIVA, Isadora Campregher. A Escola Feminista nas Relações Internacionais: bases teórico-metodológicas. 2014. 71 f. Tese (Doutorado) – Curso de Relações Internacionais, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

PETERSON, V. S. Feminist theories whithin, invisible to, and beyond IR. Brown Journal of World Affairs, v. 10, n. 2, 2004.

REUS-SMIT, C. Constructivism. In: BURCHILL, S.; LINKLATER, A.; DEVETAK, R.; DONNELLY, J.; NARDIN, T.; PATERSON, M.; REUS-SMIT, C.; TRUE, J. Theories of International Relations. 3. ed. Basingstoke: Palgrave, 2005, p. 188-212.

SARFATI, Gilberto. Teorias de Relações Internacionais. São Paulo: Saraiva, 2005.

TICKNER, J. A. Gendering World Politics – Issues and Approaches in the Post-Cold War Era. New York: Columbia University Press, 2001.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*